sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Conhecer e receber o reino e nele entrar

 Jornal Árvore da Vida


É possível que hoje não consigamos conhecer muito bem as coisas nem nos tornemos especialistas em nada. Se nos perguntarem: “O que você conhece bem?”, talvez não tenhamos de pronto uma resposta. Mas há um assunto que, como cristãos, precisamos conhecer bem: o reino. Se quisermos entrar no reino, precisamos conhecê-lo. Nossa vida é para o reino. O Senhor deu a vida pelo reino e hoje procura os que também façam isso.

Graças à misericórdia do Senhor, Ele nos está aperfeiçoando dia a dia, alargando nosso coração, ampliando nossa visão no tocante ao reino e à entrada no reino. Em Marcos 10:15 o Senhor diz: “Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele”. Nesse versículo vemos dois aspectos do reino: recebê-lo e entrar nele. O primeiro aspecto diz respeito à realidade, ao Espírito da realidade. O Senhor deseja estabelecer Seu reino em nós. Por isso o semeador saiu a semear (Mateus 13:3) e semeou a semente do reino, que é a palavra do reino e o próprio Senhor. Hoje, como a semente semeada em boa terra, o reino precisa entrar em nós, melhor dizendo, sua realidade precisa entrar em nós, para que amanhã entremos nele, isto é, entremos em sua manifestação. Esse é justamente o segundo aspecto do reino: a manifestação, que diz respeito à volta do Senhor. Ele voltará, e o reino do mundo se tornará Seu reino (Apocalipse 11:15).

sábado, 2 de janeiro de 2016

FILHOS GRATOS

Filhos Gratos – Jornal Árvore da Vida



Um dos papéis mais significativos dos pais é educar os filhos. Se, desde o princípio, os filhos forem deixados por conta deles mesmos ou das tendências humanas naturais, dificilmente se verá neles algo virtuoso. Educar é encaminhar os filhos por caminhos contrários àqueles que sua natureza humana indicaria. O egoísmo é um dos primeiros traços que desabrocha em uma criança, um dos primeiros a desenvolver-se e um dos últimos a ser eliminado, quando trabalhado. Se na cultura familiar os filhos simplesmente ganham coisas sem que sejam levados a ter um sentimento de gratidão, eles crescerão achando que a vida é fácil, que as pessoas são obrigadas a bater em sua porta trazendo algum presente cada manhã e se sentirão muito injustiçados quando isso não acontecer. Os pais devem educar os filhos de modo a que sejam pessoas agradecidas. A primeira aula ministrada deve ser o exemplo dos próprios pais. Se os filhos não ouvem os pais agradecerem um ao outro os favores e as gentilezas próprios do cotidiano da vida em família, fica muito difícil esperar que eles, de si mesmos, tenham essa atitude. Pais, com que frequência seu filho os ouve agradecendo? Se o exemplo dos pais é vital para ensinar o ato de agradecer, o que dizer quando esses mesmos pais conseguem mostrar apreço pela atitude dos filhos e lhes agradecem por elas? Isso seria inovador e pouco a pouco consolidaria, no caráter deles, a percepção de que devem ser pessoas gratas.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

COMO ESTÁ O SEU CORAÇÃO?

Como está o seu coração?

"Deus usa as circunstâncias a fim de revelar nosso coração".

As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, SENHOR, rocha minha e reden­tor meu! (Salmo 19:14).

E, tendo tirado a este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei a Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade. Da descendência deste, conforme a promessa, trouxe Deus a Israel o Salvador, que é Jesus (Atos 13:22, 23).

Primeiro

Temos aqui duas passagens relacionadas com Davi. Salmo 19:14 é sua oração e Atos 13:22, 23 fala dele como homem. Em sua oração Davi menciona as palavras de sua boca e o meditar de seu coração. Procura fazer com que seus pensa­mentos íntimos e suas palavras externas sejam aceitáveis a Deus; pois as palavras da boca são a expressão do pensamento. Donde se depreende que o principal problema é o coração. A questão central não é se as palavras estejam corretas ou não, nem é também a correção da atitude externa. O problema verdadeiro jaz na intenção do coração. O pensamento e a intenção do coração é a questão que não deve ser negligenciada. Por este motivo Davi ora para que o meditar de seu coração seja aceitável a Deus assim como as palavras de sua boca. Sua oração é que Deus aceite seu desejo interior. Daí Paulo testificar ser Davi um homem segundo o coração de Deus (Atos 13).