terça-feira, 14 de junho de 2016

muitas razoes pra louvar a Deus

Muitas razões para louvar a Deus –

Jornal Árvore da Vida


 “Aleluia! Louva, ó minha alma, ao Senhor. Louvarei ao Senhor durante a minha vida; cantarei louvores ao meu Deus, enquanto eu viver. Não confieis em príncipes, nem nos filhos dos homens, em quem não há salvação. Sai-lhes o espírito, e eles tornam ao pó; nesse mesmo dia, perecem todos os seus desígnios. Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, cuja esperança está no Senhor, seu Deus, que fez os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e mantém para sempre a sua fidelidade. Que faz justiça aos oprimidos e dá pão aos que têm fome. O Senhor liberta os encarcerados. O Senhor abre os olhos aos cegos, o Senhor levanta os abatidos, o Senhor ama os justos. O Senhor guarda o peregrino, ampara o órfão e a viúva, porém transtorna o caminho dos ímpios. O Senhor reina para sempre; o teu Deus, ó Sião, reina de geração em geração. Aleluia!” (Salmo 146).

vida vencedora

Vida vencedora ou fracassada? Jornal Árvore da Vida

A Bíblia nos mostra que Deus ordenou para o cristão uma vida de pleno gozo. Essa vida tem completa paz, não tem barreiras para a comunhão com Deus e, de modo nenhum, é contrária a Sua vontade. A vida que Deus preparou para o cristão não tem sede das coisas do mundo, aparta-se do pecado e tem vitória sobre ele. É uma vida santa, poderosa e vitoriosa; conhece a vontade de Deus e tem comunhão com Ele ininterruptamente.
Essa é a vida que Deus determinou para o cristão nas Escrituras, uma vida que está oculta com Cristo em Deus. O que pode afetar essa vida? Assim como Cristo é inabalável, nós somos inabaláveis. Assim como Ele transcende todas as coisas, também nós transcendemos. Nossa posição diante de Deus é a mesma que Cristo tem. Nunca devemos pensar que estamos destinados à fraqueza e ao fracasso. Na Bíblia, não há lugar para tal pensamento em relação a um cristão. Colossenses 3:4 diz: “Cristo, que é a nossa vida”. Cristo está muito acima de todas as coisas. Nada pode afetá-Lo. Aleluia! Essa é a vida de Cristo!

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Conhecer e receber o reino e nele entrar

 Jornal Árvore da Vida


É possível que hoje não consigamos conhecer muito bem as coisas nem nos tornemos especialistas em nada. Se nos perguntarem: “O que você conhece bem?”, talvez não tenhamos de pronto uma resposta. Mas há um assunto que, como cristãos, precisamos conhecer bem: o reino. Se quisermos entrar no reino, precisamos conhecê-lo. Nossa vida é para o reino. O Senhor deu a vida pelo reino e hoje procura os que também façam isso.

Graças à misericórdia do Senhor, Ele nos está aperfeiçoando dia a dia, alargando nosso coração, ampliando nossa visão no tocante ao reino e à entrada no reino. Em Marcos 10:15 o Senhor diz: “Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira nenhuma entrará nele”. Nesse versículo vemos dois aspectos do reino: recebê-lo e entrar nele. O primeiro aspecto diz respeito à realidade, ao Espírito da realidade. O Senhor deseja estabelecer Seu reino em nós. Por isso o semeador saiu a semear (Mateus 13:3) e semeou a semente do reino, que é a palavra do reino e o próprio Senhor. Hoje, como a semente semeada em boa terra, o reino precisa entrar em nós, melhor dizendo, sua realidade precisa entrar em nós, para que amanhã entremos nele, isto é, entremos em sua manifestação. Esse é justamente o segundo aspecto do reino: a manifestação, que diz respeito à volta do Senhor. Ele voltará, e o reino do mundo se tornará Seu reino (Apocalipse 11:15).

sábado, 2 de janeiro de 2016

FILHOS GRATOS

Filhos Gratos – Jornal Árvore da Vida



Um dos papéis mais significativos dos pais é educar os filhos. Se, desde o princípio, os filhos forem deixados por conta deles mesmos ou das tendências humanas naturais, dificilmente se verá neles algo virtuoso. Educar é encaminhar os filhos por caminhos contrários àqueles que sua natureza humana indicaria. O egoísmo é um dos primeiros traços que desabrocha em uma criança, um dos primeiros a desenvolver-se e um dos últimos a ser eliminado, quando trabalhado. Se na cultura familiar os filhos simplesmente ganham coisas sem que sejam levados a ter um sentimento de gratidão, eles crescerão achando que a vida é fácil, que as pessoas são obrigadas a bater em sua porta trazendo algum presente cada manhã e se sentirão muito injustiçados quando isso não acontecer. Os pais devem educar os filhos de modo a que sejam pessoas agradecidas. A primeira aula ministrada deve ser o exemplo dos próprios pais. Se os filhos não ouvem os pais agradecerem um ao outro os favores e as gentilezas próprios do cotidiano da vida em família, fica muito difícil esperar que eles, de si mesmos, tenham essa atitude. Pais, com que frequência seu filho os ouve agradecendo? Se o exemplo dos pais é vital para ensinar o ato de agradecer, o que dizer quando esses mesmos pais conseguem mostrar apreço pela atitude dos filhos e lhes agradecem por elas? Isso seria inovador e pouco a pouco consolidaria, no caráter deles, a percepção de que devem ser pessoas gratas.